03 outubro 2012

Das regalias

Não gosto de professores. De professores que se vêem queixar das condições que têm (preparem-se, vem aí post polémico e digno de hate mail). Não tenho nada contra os professores em geral, excepto o facto de estarem muito mal habituados. Aqui há tempos, li uma entrevista que só me deu vontade de partir cabeças. A entrevista focava-se na situação que agora muitos professores vão passar, supostamente, que é ou não terem horários ou terem sido deslocalizados ou terem de fazer outra coisa diferente do que têm vindo a fazer nos últimos 15 anos. E dizia um Sr. Professor, cheio de razão e à boca cheia 'Não é igual trabalharmos a 30 ou 40 km de casa, isso implica despesas'. Oh Senhor Professor, quem diria, que com a sua educação só agora percebeu isso! Se calhar não se apercebeu é que a maioria dos mortais não trabalha à porta de casa, nem vai a pé para o trabalho, nem vai almoçar a casa. Não, o comum dos mortais tem de fazer diariamente 20, 30, 40 ou mais kms para o trabalho, tem de estar horas em filas de trânsito ou em trsnsportes públicos, tem de gastar dinheiro para almoçar e não ganha nem mais um cêntimo por isso. E, Sr. Professor, olhe que muitas vezes estas pessoas não ganham nem metade do que o senhor ganha. Sim, ouviu bem. Um professor que dê aulas há 10, 15 anos ganha quanto? 1500€? Mais? Não tenho bem a noção, mas sei que um professor em início de carreira ganha cerca de 1200€, por isso não me venham dizer que são mal pagos. Mais, o senhor queixava-se também que a carga horária semanal ia aumentar de 22h para 24h semanais (penso que era assim). Sr. Professor, não sei se também o informaram já, mas o comum dos mortais trabalha 40 (!!) horas semanais. Sim, quase o dobro do que o senhor trabalha. E não venha com a conversa que tem de corrigir testes fora do horário, que eu também tenho de acabar o meu trabalho fora do horário e ninguém me paga horas extraoordinárias. Por isso, Senhores Professores de Portugal, olhem à vossa volta e párem de se armar em coitadinhos quando ainda têm trabalho, o que hoje em dia já é um bocado raro. E, se não estiverem satisfeitos, aposto que muitos professores em início de carreira e que não têm colocação não se importam de vos substituir nos vossos trabalhos mal pagos de 24 horas semanais e a 40 kms de casa.

27 comentários:

Amanda Cheshire disse...

Concordo contigo! Estão mesmo muito mal habituados...

Uma das minhas professoras ontem estava-se a queixar, a dizer que não vai trabalhar de graça pro Governo e "não tenho culpa se o Ministério fez isto, não sou eu quem faz as turmas, infelizmente" e um blábláblá de fazer dormir. Uma das minhas colegas mais espertas respondeu: "A stora não tem nada que reclamar; nas Universidades os professores dão aulas para mais de 30 alunos." - E eu só fico a pensar: "Mas esta gente é parva! Reclama de boca cheia." Ela nem sequer é boa professora e fica a faltar. Não é por nada, mas ela não sabe dar aulas. Há uns que deviam ser mesmo despedidos e entravam uns melhores que reclamam menos e fazem o trabalho como deve ser.

Amanda Cheshire disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amanda Cheshire disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ardnaxela disse...

Concordo em absoluto. Tomara a muitos professores com inicio de carreira ter colocação só a 40 km de distância de casa e com 24 horas semanais. Algumas pessoas só estão bem a reclamar, mesmo que não tenham razão.

Cynthia disse...

Aplaudo de pé! Se trabalhassem da forma que a maior parte das pessoas trabalha, acabavam-se logo as queixinhas todas sobre serem professores com essas condiçoes. Reclamam de barriga cheia!

Anónimo disse...

A minha irmã é professora, por isso sei do que falo,
é indecente a forma como reclamam, é indecente acharem que tem de ser colocados obrigatoriamente, é indecente queixarem-se constantemente mas não admitirem a hipotese de mudar de vida, profissao, preferem o queixume constante,
é uma afronta, a quem efetivamente trabalha, ter de ouvir que trazem trabalho para casa, sendo que um horário completo para eles é meia semana nossa ...
aqui há dias estava a minha irmã muito atrapalhada prq tinha de, ATENTEM, acabar de corrigir as provas dos exames nacionais em casa porque, como a correção é feita a lápis, ela teve de, em casa, sublinhar a vermelho e depois apagar com a borracha os vestigios do lápis. Tive de virar costas, não consigo ... vê.los na tv revolta-me os nervos. Saber que toda a gente faz sacrificios, trabalha longe, inclusive imigra, para sobreviver, mas os professores não, eles querem uma escola e querem-na ao lado de casa ...a verdade é que assim vão eles levando a vidinha deles, se não são colocados, são criados expedientes para os manter ocupados e a ganhar o deles, mesmo que nao haja alunos, who cares ? ...
póvoa

Maat disse...

anónimo, ainda levantaste aí mais uma questão que não me tinha ocorrido: se não houver trabalho, os professores lá se vão ocupando nas escolas, de alguma forma, recebendo sempre o seu ordenado ao fim do mês.
se numa empresa privada não houver trabalho para os funcionários, eles são mandados embora, pois não estão ali a fazer nada senão dar despesa.

Espiral disse...

Concordo inteiramente.

E ainda tem férias que não lembram ao diabo. Muito mais de 30 dias.

E não acreditem nos que dizem que têm menos.

A partir de julho esqueçam (talvez tenham que lá ir uma hora ou outra para reuniões, mas mais nada)

Anónimo disse...

ui, só comentários a favor?
Os professores ainda estão a tentar perceber o texto?
Professores, lutem contra isto, contra-argumentem.

Anónimo disse...

Atenção, essas condições são as dos professores que trabalham no público. A grande maioria dos professores dos privados são muito mal pagos, explorados, que têm que dar atenção aos paizinhos às horas que a estes lhes apetece, com uma carga de 40 horas semanais e ainda levam diariamente trabalho para casa. Sei do que falo porque sou só mais uma...

Anónimo disse...

Independentemente de se tratarem de professores ou de outra profissão qualquer, o raciocínio da Maat é o seguinte: este pessoal não se devia queixar porque há gente a ganhar muito menos e a trabalhar mais que eles.

Cara Maat, isto pode ser verdade ou não, não sei que não sou professora nem conheço todas as pessoas que trabalham no "privado".

Mas sei que queixar toda a gente se queixa e não são só os professores.

A Maat não tem um blogue a reclamar de tudo? Maat, há quem viva muito pior. Porque é que não pára de se queixar e vai viver do ordenado mínimo? Olha que há muito boa gente que não ganha muito mais que 485 Euros por mês.

Para mim o texto da Maat resume-se ao seguinte. Não queremos estar bem, queremos é que os outros estejma pior que nós e de preferência caladinhos.

Os professores não querem trabalhar a 40km de casa? A Maat queria? Se calhar estes professores têm filhos e têm que os deixar na escola antes direm para a deles, não? A gasolina está cara, sabia?

Só porque alguém está pior que eu, eu tenho que engolir e calar?

Às vezes tenho vergonha de ser portuguesa. É por causa deste tipo de atitudes que o governo anda por aí a roubar salários a todos nós. Primeiro atacaram os FP, e o restante povinho aplaudiu de pé. Agora vai tocar a nós, do sector privado.

A Maat deve ser patrocinada pelo Passos Coelho.

Fernanda disse...

E não gosta de muitas coisas! Esquisita,hein? Pois eu também não gosto de "jovenzinhos" que se queixam de não terem um "emprego" para encherem ainda mais os bares da moda, os restaurantes mais caros, todos os concertos ( que esgotam, com bilhetes a 100 euros e, quando olhamos são os mesmos jovens que se queixam de não ter emprego que lá estão. À custa dos pais , pois então). Sou professora! Há 32 anos! E no início da minha carreira e durante mais de 10 anos, sempre trabalhei a mais de 100 km de casa. Corri o país de norte a sul. E, não foi em turismo, não! Hoje, tenho DIREITO a querer acabar a minha vida profissional perto de casa ( e trabalho AINDA a 20 km).Se fossem menos invejosos e lutassem mais pelos vossos direitos, em vez de desejarem o mal dos outros, talvez...talvez, não estivessem a perder o que nos custou tanto a conseguir. Tendo aprendido convosco e à vossa maneira, digo-vos: há falta de emprego para os jovens ( não trabalho, porque muitos não gostam desta palavra)? Mandam-nos emigrar? Pois temos pena!!!
PS: falam tão mal dos professores que devem ter todos nascido génios! Pois, assim sendo, já deveriam ter conseguido solucionar os vosso problemas.

Fernanda disse...

E quanto a trabalhar 40 horas. Sentadinha a uma secretária, não? Enquanto os professores têm de aturar a falta de educação dos vossos filhos, serem agredidos por eles, serem insultados por alguns anjinhos, a quem os paizinhos, ainda defendem ! Tenha respeito e, olhe mais para si própria. Li muitos dos seus posts. E alguns também são pouco educados para certas situações e pessoas, o que me leva a pensar, que se tiver filhos,devem ir pelo mesmo caminho. Mas os professores que os aturem....

Anónimo disse...

ó dona fernanda, os que trabalham as tais 40 horas não estão todos sentadinhos na secretária sabia ? ele há gente que trabalha com os bracinhos e com o corpo e puxa por ele, e chega à noite estafada e, ainda por cima, tem de fazer km's diariamente ...
e isso de os professores terem de aturar as criancinhas mal educadas dos outros pergunto, vai para professor para quem quer e gosta ou isto é tipo o serviço militar, quando era obrigatório? pergunto ... na volta, anda por aí muito professor que na altura escolheu essa profissão porque era " certa " e " garantida", olhe, na altura em que os professores eram os " senhores professores " e gozavam de um certo e determinado estatuto e podiam descarregar as energias no alunos, na altura em que do sopapo ao espancamento era detalhe ... eu sei do que falo, levei muitas ... se é professora, pode ter orgulho na classe, pode pode.
povoa.

Anónimo disse...

Não tenho jaito para nada? Não consigo arranjar emprego? Empregos com patrões a axigir coisas não são para mim?
Então, vou para professor!

kiss me disse...

Já fui professora por isso posso falar com (um bocadinho de) conhecimento de causa.

Maat, esqueceste-te de referir as férias. Têm uma semana no Carnaval, mais uma ou duas na páscoa, dois ou três meses no verão e mais uma ou duas no natal. Ah e tal, mas temos reuniões e de escrever atas e não sei quê. As reuniões são um ou duas por dia, e o resto do tempo são férias, digam o que disserem.

Depois há os dias de folga. os que trabalham há mais tempo podem "exigir" dias de folga e que esses dias calhem à segunda ou sexta. Ora, eu na minha empresa até podia trabalhar lá há mil anos que não me iam dar dias de folga com toda a certeza!

Há ainda a parte do horário de trabalho. Ok que têm testes para corrigir e aulas para preparar (os que preparam, que hoje em dia, são raros!) mas os testes são acontecem x vezes por ano. E é muito chato corrigir testes mas podem faze-lo em casa, numa esplanada, interromper quando quisereme entregá-los quando quiserem. Eu quando tenho um projeto tenho a data x para o entregar e se não entregar tenho de arcar com as consequências de aquilo ficar com mais y custos do que era suposto. E não posso acabá-lo no café, no sofá em chocolate quente na mão, nada. Tem de ser na empresa, seja noite ou fim de semana.

Os professores têm direito a reclamar, como toda a gente. Não podem é ficar muito ofendidos quando lhes fazemos ver que têm uma vida muuuito mais privilegiada do que a maioria dos outros trabalhadores.

Pepper disse...

É a elite dos senhores professores...

Anónimo disse...

Tenho muita pena do que li, mas este é apenas e só um reflexo do estado deste país...
Ora, não sendo eu médica, nunca me passou pela cabeça dissertar acerca das dificuldades ou não do exercício dessa profissão...
Mas aparentemente, e como parece que é a única forma de poder que alguns pais sentem ter, toda a gente opina acerca do exercício da profissão do professor...
A questão aqui é muito simples, se é assim tão fácil ser professor (pelos vistos até só corrigimos e preparamos materiais de vez em quando, acompanhados romanticamente de um chocolate quente no sofá) devo então felicitá-los a todos por terem escolhido as profissões mais difíceis e desgastantes e deixarem esta miserável profissão para nós, os preguiçosos! Agradeço do fundo do meu coração a não cooperação na educação dos vossos filhos, em que a relação de poder só pode ter uma demonstração: os pais têm de ganhar a todo o custo. Ensinar aos filhos relações de cooperação? Para quê, se os pais podem ser os heróis dos filhos, em detrimento de quem os forma?...
A maior regalia desta profissão é ser considerada uma das mais desgastantes e com maior indice de depressão e esgotamento nervoso, mas o problema devemos ser nós que somos preguiçosos...

Anónimo disse...

Eu não quero que os professores eduquem os meus filhos, para isso estou cá eu.

Professor - Aquele que ensina uma arte, uma atividade, uma ciência, uma língua, etc. Limita-te a fazer isso o melhor que puderes e souberes.

Anónimo disse...

As pessoas que dizem que os professores não trabalham e blá blá blá, deviam durante 1 semana fazer exatamente o que 1 professor faz, só 1 semana vá, para calarem de vez os disparates que dizem. E sim os professores ganham mal.
I.Punk

Filomena Branco disse...

Lamento dizer mas desconhece, realmente, a realidade diária de um bom professor. Fique sabendo, que para além de aturarem a falta de educação dos filhos dos outros, já para não falar em agressões verbais e físicas, trabalham muito mais do que vocês todos pensam. É só dar aulas? Então e prepará-las de forma a adaptá-las aos "inteligentes" dos vossos filhos, para que eles adquiram um minimo de conhecimento. Onde é que os professores fazem esse trabalho? Não será em casa nas tais horas que a maior parte de vós dizem que estão a descansar? Tenham vergonha na cara e informem-se antes de falar ou escrever sobre algum assunto. Claro que, tal como nas outras profissões, também há os que são professores por devoção e dedicação e os que são professores só para ter um emprego e um ordenado ao fim do mês. E não, não sou professora, nem para tal tenho vocação pelo que nunca enveredaria por essa via só para ter um emprego.
Só para terminar quero dizer que, para além de todas as opiniões e questões, um bom professor é a base de uma boa instrução e formação.Antigamente só ía para professor quem tinha vocação e adquiria conhecimentos para ensinar. Quando a profissão começou a ser exercida por quem sai das faculdades quase sem saber ler, escrever, interpretar, raciocinar, o nosso País começou a andar para trás. basta olhar para a **** dos politicos que temos!è que o desenvolvimento e a realidade de um País assenta num bom nível de educação, formação, conhecimentos e instrução, que no nosso caso tanta falta nos faz. Ah, e não, não sou nenhuma velha saudosista e com opiniões ultrapassadas. Aprendi foi a dar valor àquilo que realmente interessa. Ah pois, tive uma excelente professora no ensino básico que me preparou e deu as bases para o meu futuro.

Anónimo disse...

A inveja, a ignorância e a mediocridade só produzem comentários como muitos do que li.

São comentários cheios de raiva, de mágoa, de frustração, mas não estão fundamentados.

Acabam por ofender e desmoralizar gravemente quem trabalha - e muito - nesta profissão.

Dizia uma senhora no seu comentário que são raros os professores que preparam as suas aulas - poderá esta senhora dar provas disso?

Já agora, um professor em início de carreira ganha 1200 euros? Que bom para ele! Eu, que sou professora há 19 anos, ganho 1390 euros.

Deixem-nos em paz, sim? Direcionem a vossa revolta contra os governantes que não sabem limpar o sistema de ensino de maus "profissionais" e que dão mau nome à profissão.

Anónimo disse...

Nunca devemos opinar sobre o que desconhecemos....e esta sua dissertação revela uma total ignorância sobre vida de um professor.

Anónimo disse...

Nunca devemos opinar sobre o que desconhecemos....e esta sua dissertação revela uma total ignorância sobre vida de um professor.

Anónimo disse...

Todos tivemos bons e maus professores ao longo da nossa vida escolar. Eu já tive professores sem qualquer jeito para a profissão e que claramente pouco se importam com o que fazem (não existirão profissionais incompetentes em todas as áreas?. Porém, já tive óptimos professores que sabem ensinar (como dizem em alguns comentários) e que sabem educar. Tenho uma óptima professora em casa e mais alguns na família, que já correram o país para trabalhar. Revolta-me a pouca importância que se dá à educação e que se ponham todos os professores "no mesmo saco" como se por terem essa profissão fossem todos incompetentes.
Por fim, 1200€ em início de carreira, que professor recebe isso? não devemos viver na mesma realidade.

João Pimentel Ferreira disse...

Quando um historiador acaba o curso, o Estado arranja-lhe emprego?

Quando um psicólogo acaba o curso, o Estado arranja-lhe emprego?

Quando um engenheiro acaba o curso, o Estado arranja-lhe emprego?

Quando um jurista acaba o curso, o Estado arranja-lhe emprego?

Nunca percebi esta onda dos professores acharem que o Estado tem obrigação de lhes dar emprego. Não têm emprego?! Façam como milhares de outros licenciados, arranjem alternativas, não esperem que sejam os contribuintes....

Maria João disse...

Este texto já têm um tempinho mas adorei - este texto e alguns dos comentários retratam o que me vai na alma.

utilizadores online